quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Susto !

Gente, em primeiro lugar quero dizer que estou muito envergonhada de não ter postado com maior frequencia, sei que muitas amigas ( e alguns amigos do sexo masculino ) vem aqui no blog que não encontram nenhuma atualização, até parece que eu abandonei tudo! Que relaxo... Mil perdões! Na verdade não postei de preguiça mesmo, tenho ficado a maior parte do tempo descansando e tenho descansado até demais... Já ouviram aquela frase maluca: cansada de descansar?  Pois é, essa sou eu! hahaha

Bem, o susto foi no começo da semana passada. Moramos em uma edícula que fica entre uma chácara abandonada -- cuja casa já foi até semi-demolida -- e uma serralheria cuja organização é inexistente, ou seja, mais parece um lixão, um amontoado de quinquilharias que outra coisa. Com isso, vira e mexe aparecem insetos peçonhentos nos lugares mais surpreendentes. Um dia, fui escovar os dentes, recém levantada da cama e lá estava um escorpião amarelo dentro da pia, pronto pra dar o bote. Joguei álcool gel e toquei fogo nele. Aranhas marrons (as mais venenosas do Brasil) e aranhas armadeiras sempre fazem visita, especialmente à noite, quando menos se espera, lá está uma ou outra atravessando a sala depressinha em direção ao quarto ou ao banheiro, tentando não ser notada. Já matamos muitas. Além do perigo da picada do inseto, existe um alarmante que é o fato de eu ser alérgica, se uma abelha me pica, é febre na hora, é hospital na hora, fato que me deixa ainda mais cuidadosa em relação a isso, já que estou grávida e podemos ter complicações seríssimas, quem sabe a morte. Enfim.

Acontece que dia desses, semana passada, a lâmpada do banheiro queimou. Com medo dos insetos que poderiam estar ocultos na penumbra, não pensei duas vezes: tentei trocar a lâmpada. Fui ao supermercado, comprei uma nova, voltei. Quando tentei desenroscar a lâmpada do bocal, vi que os fios também se torciam e poderiam se desconectar. Então a solução foi apanhar uma cadeira na cozinha, pra que ue pudesse subir e segurar o bocal com uma mão e desenroscar a lâmpada com a outra. Pois bem. Como eu não tenho o costume de fazer nada devagar, fui depressa na cozinha, peguei uma cadeira pesada de madeira e, ao passar pela porta estreita, não mirei direito e a cadeira bateu com toda a força e velocidade na parede e voltou bem na minha barriga, empurrando Hellen pras minhas costas e causando uma dor insuportável que me fez arquear na hora. 

Mesmo assim, troquei a lâmpada assim que a dor passou, porém, Hellen que se mexia o tempo todo ficou mais quietinha que o normal, o que me deixou muito preocupada. Assim que o maridão chegou, fomos ao hospital Unimed. Lá, expliquei tudo ao médico e ele examinou o colo do útero que estava fechadinho e o coração de Hellen batia normalmente, graças a Deus. Ufa!

Esse susto serviu pra me mostrar o quanto eu me importo, o quanto já amo minha filha querida. Não quero perdê-la nunca, jamais. Tenho ciúme só de pensar em deixar alguém cuidar dela, em deixá-la ir para a escola, em pensar em todas as coisas que ela fará sem mim. Me fez pensar em cuidar-me mais, no quanto não sou mais eu, como disse outro dia, Hellen vive em mim. E isso me trouxe um senso muito maior não só de amor, mas de responsabilidade, me trouxe um choque de realidade, me fez ver o quanto eu estou me tornando mãe. Fico feliz.

Tenho muita coisa pra contar, vou postar amanhã. Amiguinhas tiraram fotinhos minhas e  assim que estiver com elas postarei. Bejos para todos e obrigada pelo carinho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário